sexta-feira, 29 de maio de 2015

An actually interesting discussion occurred on Youtube

'This water stuff was already in his book Infinite Jest. This DFW type is clearly a millennial-burgeois-lack-of-real-struggle galoot, writing stuff with a nobrow appeal to a clearly highbrow audience, eager to entertain themselves with original bullshit that supposedly point to all this generations flaws, or whatever sense of lack perceived as a king of generational disease. Ironically, it seems that my analysis just sustains the argument that there's something wrong in the air...' (6 likes)
'So what alternative do you suggest?'
'People should follow the holy words of... I'm kidding. I don't know man, I'm nobody. People struggle to spread their world-views, even as mildly as DFW did in Infinite Jest.
Also, if I provide a bourgeois-liberal-bullshit criticism that occurs due to my bourgeois-liberal-bullshit background, it doesn't mean I'm not comfortable with it. Many theorists say that this is new capitalism, a crazy millennial commercial circus e.g. industrial selling of "Fuck the System" SOAD albums.' (5 likes)
'stop saying "bourgeois"' (14 likes)
' lol. No better word came at the time...I don't like it either, and almost never use it. It was supposed to refer to people that have "good amount of spare time" (no need to struggle to survive) and so are able to entertain themselves intellectually, or express their feelings to others in a complex way (both seem to be the case of DFW).' (2 likes)
'You should find something you can approve of and spend your time commenting on why you approve of it.  It's the choice thing, again.  You can choose to build, or you can choose to destroy. Because of widely prevalent anxiety, stress, unease, many choose to destroy.' (9 likes)
'Wise words. Though if mine own afore seem to express something negative, know that they were typed devoid of negative feelings. (In this commentary section I'm trying to reproduce the intuition contained in "Infinite Jest" - Buddhist, BTW - as "This is water" stuff...)'
'My apologies.  I did think you were finding major fault with what DFW had to say, while I think it would help me to keep in mind, regularly.  I really liked his notion that total self-centeredness is our default setting.  That does seem very true of myself, and also seems to be the major issue in our culture.  I'm also interested in the notion of growing my  own awareness - mindfulness - beyond my default setting.
Infinite Jest is at my local library.  I intend to check it out, in both senses of the phrase.  Thanks for not blasting me for giving you advice.' (2 likes)
'Go jelq the big chubby flaccid between your legs m8.'
'well, that was actually a decent discussion on a complex topic. thought I would never stumble upon something like this on youtube' (6 likes)
'fuck the system of fucking the system! ' (1 like)
'It wasn't my intention to make social criticism, but to elaborate a sociological statement on the cultural nature of DFW's audience. 
Part of his literary project is to dissolve borders between high-culture and pop. It's called "nobrow". My suggestion was that to truly grasp the meaning of this "nobrow" in his work one has to be previously "cultivated", i.e. highbrow in education and probably taste. If you see this only as a form of protest, see the video again, viz. the part where people applaud before DFW says "that's how not to think!".' (7 likes)
'literally eat shit and die' (3 likes)
'I was about to TRY and say something moderately intellectual, but because I am a 'nobrow' I can't muster anything more intellectual than eat shit and die.' (1 like)
'sorry r34 it wasn't my intention to be a complete twat, but just to state that the bourgeois nature of your comment is but a flattery of the middleclass nature of conformity, in so much as that it is its very nature a contradictory term that in the circumstances requires much debate....thats what you you sound like, a twat.' (2 likes)
'That's not the point. There is a contradiction in the nobrow culture advocated by DFW. Isn't it a development of the highbrow? Young people being cool intellectuals...'
'You're right, being DFW's biographer, you're well aware of how difficult his life was and the struggles he grappled with... When people criticize stuff like this on the internet, there's a 90% chance they're projecting their own perceived shortcomings onto others. You are not the 10%. Good luck out there boss.' (2 likes)
'Of course this is my reading on this speech's content, with the correlation found in Infinite Jest. Thank you Mr. Psychologist, for the brilliant statement on the nature of most people's views. In the future I'll try to enter this Olympus of objective analysis, and avoid the influence of my past life, because this is for losers. sigh'
''*tips fedora*' (2 likes)
'It's not new capitalism, it's our culture digesting collective self-hatred within and inherent to capitalism. The inverse of dignity.' 
'Well put. I'd say the difference lies in the status of those cultural outputs of self-hatred. Instead of being seen as an outsider, a counter-culture protagonist, DFW is just an intelligent guy with interesting ideas --- do we who enjoy him share anything else?'
'In my opinion, when it comes to the 'real world' (as DFW seemed to phrase it through a cringe and gritted teeth) nobody should be viewing anyone as a protagonist through any superimposed projection. This is the sort of idolatry I think we are being warned against in his address. Who the message speaks to is almost irrelevant; but you are correct, it would probably not strike gold in the heart of the average working/middle class Joe or Jane who might only be partial to the odd pulp novel on the literary scale. It's almost irrelevant because this is nothing new; the average Rusky-red-blooded proletarian was hardly like to be seen ploughing through the hefty volumes of Marx's Capital leading up to the October Revolution (or whenever) either. Not that we should be silly enough to try and draw a direct comparison of course, I'm just saying that the modern scholarly types are often de facto ivory tower residents and their ideas trickle down our hierarchical societies more in spirit than in print (on the rare occasion they do at all, lest you have a good pamphlet). This is no problem here, DFW was not a demigod or counter-cultural iconoclast and did not aspire to be - however willing others were to build such a self satisfying effigy or whatever. But when he was on form he could hit a note that certainly resonated deeply in audiences fortunate enough to have had the privilege of a decent education and the rudiments of a certain world wariness. The humanity of that note could certainly carry a young slacker some way towards becoming a decent human being, who could then transmute those values towards others; this is ultimately what any decent writer would be thrilled to aspire to.' (1 like)
'wow, you are trying way too hard'

quinta-feira, 28 de maio de 2015

pseudo-soneto inglês — A Harpa

Miúda harpa contínua
Ígnea, sórdida, tercina
Ponteia serena o vento
Venta compraz, lamenta;
Musicais de madeira. Parvos.
Gracejos de luz de mil-avos
Alvos do quente seco e vil,
Do nobre mogno que sutil
Talhou as contínuas harpas
Que, às elevadas alturas, com asas,
      Nos — aficionados por música —
      Levou, celestes em súplica.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Grande Sertão

Ó, o Grande Sertão
Onde se se ama é amigo.
Sinistra v'reda foz,
Sombrio e indigno

Quiçá a Clavina feroz
Abate o touro e bandido
P'ra resolver o destino
Sem sucumbir o querido.

Ser tão sertão
É abandonar o vivido
Desviver compraz.

Azeitar o Cutelo
Esquentar o ponteio
Desmerecer assaz.

Mormente assim; às vezes.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Literatura, cognição e masoquismo

No processo de escrita criativa, isto é, de criar uma história fictícia e brincar com as ferramentas de narração e semiótica -- elaborar a possibilidade de conotação no leitor --, me deparei com duas coisas interessantes, uma delas constatação genérica sobre o contar-histórias, e a outra percepção sobre meu atual interesse literário, como leitor e escritor.

A primeira: notei ontem a grande força do preenchimento de espaços vazios na narrativa que praticamente toda literatura acarreta. Explico: tinha alguns personagens em mente, e queria caracterizá-los ao leitor. Para isso, acabei dispensando grandes detalhamentos, e mostrando alguns assuntos de suas conversas já me bastaram! Claro que aí há superficialidade, mas o leitor elaborará um estereótipo, o que é a intenção no caso. Pode-se comunicar muita coisa com poucas palavras.

A segunda: estou um atual adepto do masoquismo literário. Mire veja: algumas artes demandam ao apreciador que saia de sua zona de conforto e se coloque em uma posição estética exótica. Bons exemplos estão na música erudita contemporânea (ouça o réquiem de Ligeti). Na literatura, não se carecem de protagonistas: Guimarães Rosa, Lispector, Pynchon, Bolaño, Cortázar, etcétera.
  • O que une essas pessoas não são inovações no conteúdo, mas na forma. São modos de narração muitas vezes alheios ao costume, aos padrões cognitivos do cotidiano. Demandam uma saída da zona de conforto para que o leitor se situe em um local desconhecido, precisando se contextualizar em um território particular; são métodos e métodos de comunicação, de transmissão de mensagens. O masoquismo vem da necessidade de adaptação a um método ainda não visto, ainda estranho ao leitor. Gosto disso. Gosto de novidade.

Sobre os conteúdos, ainda estou reticente sobre "novidades". Os velhos arquétipos, supostamente os universais da narrativa e empatia humana com uma estória, aparentemente continuam firmes -- sofreram alterações em suas relações com os outros arquétipos, e.g.: um personagem que antes era o herói agora pode ser herói e bandido, conjuntamente, e é algo tolerado.

Outro ponto interessante: o chamado realismo histérico, uma tentativa, segundo o crítico inglês James Wood, de "transformar a ficção em teoria social", de contar "como o mundo funciona em vez de como alguém se sentiu sobre alguma coisa" (fonte: Wikipedia). Com meu passado em sociologia, isso me agrada bastante -- engendrar um mundo, um microcosmos do que o mundão, de fato, é.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Sobre a prepotência

Você, enquanto artista ou noutro tipo de ofício que demande criatividade, poderá se deparar com críticas que apontem para certa pretensão em seu trabalho, uma prepotência em fazer algo demais além de sua posição de reles mortal. Isso acontece principalmente com os iniciantes, os não aclamados. Muitas obras parecem ser inclusive apreciadas pelo misticismo em torno do seu criador -- se não fossem aclamados, suas obras teriam menor atenção.

Contudo, ninguém nasce aclamado. Digo-lhe: ignore críticas nesse sentido. Não são úteis, e mostram mais uma preguiça do crítico do que defeitos na obra. Ousadia e rompimento com costumes é vital para o desenvolvimento de novas ideias e cultivo do poder artístico. Este, certamente, não vive apenas de originalidade, mas sem dúvidas ela é uma de suas virtudes mais apreciadas.

Basta lembrar-nos de Nietzsche, Lovecraft, Van Gogh, Kafka, Foster Wallace, Augusto dos Anjos, etc. -- pessoas que "nasceram póstumas" e tiveram seu valor em grande parte reconhecido post-mortem.

P.S.: isso não serve para se achar por aí que és um póstumo. Aí é prepotência!

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Presos políticos

Certa vez um colega de faculdade me disse que "todo presidiário condenado por roubo/furto é um preso político".

Esse colega é socialista -- de alguma corrente de Esquerda que condena a propriedade privada como ato de violência irracional. Fiquei pensando na sua frase, e no que configuraria uma prisão como política.

Concluí que presos políticos são os encarcerados em razão do grupo dominante na sociedade impor sua ideologia e colocar os que desviam dela, ou que tentam tomar/minimizar o poder do grupo dominante, na cadeia. Isso fica bem claro em casos como o da Venezuela, em que opositores estão aprisionados por "conspiração" ou alguma outra desculpa para tirá-los da arena política e assegurar a manutenção do poder de Maduro e seu grupo.

Contudo, meu colega chamou condenados por furto de presos políticos. É uma opinião heterodoxa na sociedade brasileira -- quase ninguém concordaria com ele, afinal, propriedade privada é um direito praticado pela maioria. No entanto, a maioria não é juíza de certo ou errado; não é só de democracia que a justiça é feita.

Em um âmbito filosófico, podemos chamar qualquer condenação de política, uma vez que segue a doutrina de um grupo que consegue impor suas convicções para a sociedade (nem que seja um grande grupo, ainda assim ele deixa alguns de lado, no caso meu colega).
Infantilidade acreditar na lei como justiça impessoal desinteressada. Claro que reconhecer sua dimensão política não minimiza sua importância na sociedade -- a repressão e opressão* aos desviantes acompanha a história da humanidade.

No Brasil, o problema não são os presos, mas os soltos políticos.

Acredito que devemos nos esforçar para manter o uso da expressão para casos muito desviantes, e tentar fortalecer uma cultura democrática, respeitando a vontade popular e desrespeitando quando ela vai de encontro a direitos de grupos minoritários.

Como disse São Tomás de Aquino, "uma lei que não segue a vontade de Deus não é uma lei, mas um ato de violência". Convertendo para o mundo moderno, afirmo: "leis irracionais devem ir para o lixo".


* 'Existe uma interessante proximidade etimológica e conceptual entre "opressão" e "repressão". Se a "opressão" é entendida comummente como uma imposição - por exemplo através de uma força física ou de um exercício extremo de poder -, de uma submissão, a "repressão" remete frequentemente para uma ideia de controlo, redução e sujeição, muitas vezes associada a dimensões psicológicas de ação - como uma auto-opressão voluntária, tal como é explorada na psicanálise enquanto processo mental de inibição ou supressão de desejos. Mas, e seguindo a proposta de Marc Augé (1977, p. 29 e seguintes) de incrementar o escopo de reflexão sobre esse termo, a repressão também pode ser política, associada a problemas de discriminação, violação de direitos humanos, etc. Desse ponto de vista, a ideia de repressão incorpora uma gama mais ampla de significados do que a opressão, tendo a particularidade de individualizar a experiência hegemónica, permitindo refletir sobre o problema simultaneamente num plano político e experiencial.' Ruy Llera Blanes. Disponível em: